top of page
  • Foto do escritorPará Comunica

Amamentação previne mortes de mulheres e promove saúde ao longo da vida

Benefícios do aleitamento materno tem alto impacto na saúde das mães, reduzindo riscos de câncer de mama e de útero


Crédito da foto: Assessoria de imprensa

A amamentação exclusiva nos primeiros seis meses após o nascimento tem sido uma das principais mensagens da Semana Mundial de Amamentação em todo o mundo, com o apoio da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde no Brasil. Entidades e profissionais de saúde estão engajados durante o mês de agosto na promoção deste ato, que é vital para uma vida de boa saúde e bem estar para mulheres e crianças.


De acordo com a WABA (Aliança Mundial para Ação de Amamentação), a amamentação pode prevenir a morte de 20 mil mulheres por ano, 823 mil bebês e evitar US$ 302 bilhões em perdas econômicas decorrentes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde recomendam manter o aleitamento materno até os dois anos de idade ou mais, oferecendo só leite do peito até o sexto mês de vida.


Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil, a amamentação exclusiva alcança 45,8% dos bebês. A amamentação reduz o risco de desenvolvimento do câncer de útero e câncer de mama, além de ajudar na recuperação pós-parto. Para o bebê, o sistema imunológico é fortalecido e contribui para diminuir riscos de obesidade, diabetes, casos de diarreia, infecções respiratórias, hipertensão, colesterol alto, além de reduzir a mortalidade por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos.


“A iniciativa tem como objetivo fortalecer o aleitamento materno exclusivo até os seis meses de vida da criança e sua continuidade até os dois anos ou mais, além dar suporte a mulheres e redes de apoio quanto a amamentação segura e seus benefícios”, explica a Dra Carla Youssef, ginecologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo. A OMS estabeleceu uma meta de aumentar em 50% a taxa de aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida até 2025 em todo o mundo.


Segundo o Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (ENANI-2019), encomendado pelo Ministério da Saúde, metade das crianças brasileiras são amamentadas por mais de 1 ano e 4 meses. E, também, que no Brasil quase todas as crianças foram amamentadas alguma vez (96,2%), sendo que dois em cada três bebês são amamentados ainda na primeira hora de vida (62,4%). Para 2030, as metas da OMS são de 70% na primeira hora de vida, 70% nos primeiros seis meses, de forma exclusiva, 80% no primeiro ano e 60% aos dois anos de vida.


“Embora tenha havido avanços, ainda há espaço para melhorias e para aumentar a adesão à amamentação exclusiva por seis meses. Campanhas de conscientização e políticas públicas que incentivem e apoiem as mães nesse processo são necessárias, assim como a conscientização de toda a população, já que a amamentação tem um alto impacto na saúde da sociedade com efeitos por muitos anos”, alerta a Dra Youssef.



Sobre a Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo


A Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo conta com 3 Unidades de hospital geral (Pompeia, Santana e Ipiranga) que prestam atendimentos em mais de 60 especialidades, cirurgias de alta complexidade, como Oncologia e Transplantes de Medula Óssea. Conta também com 1 Unidade especializada em Reabilitação e Cuidados Paliativos na Granja Viana.


Os hospitais gerais com atendimentos privados da Rede subsidiam as atividades de cerca de 40 unidades administradas pela São Camilo e que atendem pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) em 15 Estados brasileiros. No Brasil desde 1922, a São Camilo, que pertence à Ordem dos Ministros dos Enfermos, foi fundada por Camilo de Lellis e conta, ainda, com 25 centros de educação, dois colégios e dois centros universitários.



Por assessoria de imprensa

Comments


bottom of page