top of page
  • Foto do escritorPará Comunica

Baixa ocupação de leitos não representa fim da pandemia

Vacinação e medidas sanitárias ainda são estratégias para ajudar a acabar com a pandemia

médica Ana Rachel Rodrigues (Crédito: Assessoria de Imprensa)

Os dados apresentados nos boletins epidemiológicos das instituições de pesquisa e de secretarias estaduais de saúde não deixam dúvidas quanto à eficácia da vacina contra a Covid-19. A redução do número de internações por pacientes que já foram imunizados completamente (com as duas doses) é expressiva, mas os cuidados para evitar a propagação do coronavírus e suas variantes precisam ser mantidos para que a pandemia, de fato, chegue ao fim e todos possam voltar a uma vida sem medo da doença, que já matou mais de meio milhão de brasileiros.


O Boletim do Observatório da Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz, publicado no último dia 25, apontou que 22 estados brasileiros estão fora da zona de alerta para a doença, pois apresentam uma taxa de ocupação de leitos exclusivos para Covid-19 abaixo de 50%. Entre eles, o Maranhão, que no dia da divulgação do documento, apresentava uma taxa de ocupação de leitos de 49%. No Pará, este índice era de 40%; e o Ceará tinha 36% dos leitos destinados a pacientes com coronavírus ocupados.


Em estudos anteriores, a Fiocruz já tinha apontado uma mudança no perfil dos pacientes hospitalizados, onde se observa uma diminuição de internações de idosos, os primeiros a serem imunizados completamente. Atualmente, se discute a necessidade de uma terceira dose de vacina (a chamada dose de reforço) para os grupos mais vulneráveis à infecção do coronavírus e várias cidades começaram a vacinar adolescentes.


"As vacinas contra a Covid-19 têm eficácia comprovada por testes seguros e sérios, mesmo com o questionamento de que as vacinas foram produzidas em tempo muito curto, isso se deveu a um investimento grande por parte da indústria e governos e já há muitas tecnologias desenvolvidas para a produção de outras vacinas que puderam ser adaptadas", diz a médica infectologista Ana Rachel Rodrigues, do Sistema Hapvida.


Ela reforça que ainda não existe tratamento eficaz para a Covid-19, por isso a vacina e as medidas sanitárias são as únicas maneiras para acabar com a pandemia. "A adesão em massa da vacinação diminui a propagação do vírus e, assim, a ocorrência de novas variantes que podem ser mais letais ou mais contagiosas. Tem que se considerar que a vacina é muito mais segura que a infecção e todas as complicações que podem ocorrer com o desenvolvimento da doença", acrescenta.


A fala da especialista ajuda a encerrar os questionamentos que surgiram depois da morte do ator Tarcísio Meira, que havia tomado duas doses da anti-covid-19 e, por isso, dúvidas sobre a eficácia dos imunizantes foram levantadas. "Há que se considerar alguns fatores como idade, comorbidades presentes, complicações desenvolvidas durante internação prolongada em UTI, além disso, nos idosos, há o fenômeno da imunossenescência, que é o envelhecimento do sistema imunológico, que torna as respostas das vacinas menos eficientes", levanta Ana Rachel, sobre a situação que envolveu o artista.


"As vacinas irão apresentar frações de vírus ou bactérias para o nosso sistema imunológico, e assim serão produzidos anticorpos para combater esses microorganismos. Caso haja contato com a doença, o organismo já terá anticorpos", explica a médica, sobre como as vacinas agem no corpo. Alguns efeitos colaterais, como febre, mal estar e dor no corpo podem ser manifestados, mas nada que possa trazer maiores complicações.


A infectologista encerra com um apelo para que ninguém deixe de tomar a segunda dose da vacina, pois é só com as duas doses que a proteção estará garantida e a transmissão da doença irá diminuir. "Hoje, há milhões de pessoas vacinadas no mundo, com raríssimas complicações, comprovando que os benefícios da vacina superam os riscos", encerra.



Por Assessoria de Imprensa.

Comments


bottom of page