top of page
  • Foto do escritorPará Comunica

Banda Caferana Top agitou o ‘Bloco do Bregaço’ neste final de semana

A Banda Caferana Top natural de Cametá foi uma das atrações do Bloco do Bregaço, que ocorreu no sábado, no Mormaço

Crédito da foto: Divulgação.

A Banda Caferana Top, antiga Caferana Pop, natural de Cametá, realizou o Bloco do Bregaço, na noite do último sábado, 5, na casa de shows Mormaço, na Cidade Velha em Belém, trazendo toda sua musicalidade, tradição e animação para o público da capital paraense amante deste grupo musical que é um dos mais antigos grupos de música popular existentes no Estado do Pará.


A atual formação da banda sensação no Pará, é integrada por João Almeida, Vivi Alves, Thamires Nascimento e Breno Louzada nos vocais; nos metais tem os músicos: Anildo Viana no som contagiante do sax, no trombone tem Arielson e no trompete quem assume é Nei; já no baixo temos Heberton Viana (Gato); na guitarra Joka, na bateria Alan Delon; na percussão Vicente e nos teclados Deninho.


A Banda Caferana Top conquistou sua legião de fãs por ser uma banda baile, com repertórios ecléticos que contagiam uma imensidão de pessoas, e ainda por sua assinatura ao ser uma banda que conta com diversos instrumentos, como os metais por exemplo, que fazem uma verdadeira “caferana raiz” como o Pará conhece.


As Caferanas uma das bandas em ação mais antigas do Pará, muito popular na região do Baixo Tocantins, tendo surgido em janeiro de 1914, na região de Pacuí, no interior de Cametá, e inicialmente se chamava “Banda Pátria Amada”. A então Banda Pátria Amada permaneceu com esse nome por exatos um ano, e no dia 26 de Janeiro de 1915, em um dos ensaios da banda, um dos seus integrantes, o mestre Satiro, apresentou aos demais integrantes uma novidade, segundo nos relatam os integrantes atuais: “Era um instrumento semelhante a uma flauta só que feito a partir da madeira de uma árvore típica da região, muito usada na confecção de varas de pescar, a Caferana. A novidade atraiu a curiosidade e as brincadeiras dos demais colegas da banda e daquele dia em diante a Banda Pátria Amada teria um novo nome: Caferana”.


A influência da música americana, amplamente difundida nas rádios do Brasil nos anos 30, fez com que nos interiores de Cametá chegassem os acordes do Jazz (ritmo musical de origem Norte-Americana que utiliza prioritariamente instrumentos de sopro e percussão). Sintonizada com seu tempo, a Banda Caferana então passou a incluir no seu repertório o novo estilo musical que também é adotado no nome da banda que de 1930 a 1945 passou a se chamar “Jazz Orquestra Caferana”.


O novo estilo gerou estupendo sucesso e a banda cresceu e se tornou famosa pelo som de sua inconfundível “metaleira” (sonoridade dos instrumentos metálicos de sopro). De 1945 a 1960 a banda se destacou por fazer um som eclético, de excelente qualidade e que se constituía num diferencial na época. Com o passar dos anos, foram surgindo diversas bandas oriundas e conectadas à Caferana, como as bandas Caferana Melodia, Caferana Harmonia e agora a banda Caferana Top, com sua nomenclatura que antes se chamava Caferana Pop.


A Caferana Top é consagrada como sendo uma das bandas mais requisitadas para festivais, eventos culturais na cidade de Belém e no interior do Estado. Seu nome significa cultura popular, saberes do povo, e a essência da banda é exatamente esta, a de valorizar o talento e a musicalidade de cada membro, mesclado a uma imensidão de sons e arranjos vindos dos instrumentos.


“Por onde a banda passa é sucesso e público garantido. Isso mostra que a banda Caferana vem quebrando recordes e atingindo um público cada vez mais diverso dentro da música paraense. Sem dúvida esse retorno de quem nos assiste é o combustível para as nossas vidas na música regional”, menciona João, vocalista do grupo.


A produtora da banda Caferana Top, Ciane de Moraes ressalta uma marca muito importante que está registrada na história da banda, sua tradição e hereditariedade: “As Caferanas em si existe há mais de um século, e é uma cultura, um saber, um estilo musical que é transmitido de geração pra geração, por isso é tão rico e tão apreciado pelas pessoas. Os filhos e netos dos músicos integrantes já nascem com a música nas veias”.


Por Assessoria de Imprensa.

Comments


bottom of page