top of page
  • Foto do escritorPará Comunica

Jovem abre o próprio negócio após participar do Programa Horizontes no Marajó

Com foco em empreendedorismo e inovação, iniciativa já capacitou cerca de 500 marajoaras, contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico da região

Ivone Neves, de 25 anos, conta que os conhecimentos adquiridos nos cursos ofertados pelo Governo Federal a motivaram a empreender (Crédito da foto: Divulgação).

Superar a pobreza por meio do empreendedorismo e da inovação é a estratégia do Programa Horizontes. Com a oferta de cursos de capacitação voltados à juventude brasileira, a iniciativa do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) vem transformando a realidade de muitas pessoas, como a de Ivone Neves, de 25 anos. Moradora de Curralinho — município que compõe a Ilha do Marajó (PA), a jovem relata que, após participar do programa, abriu o próprio negócio.


“Sou pedagoga de formação, mas atualmente estou desempregada. Com os conhecimentos que adquiri com os cursos, pude montar meu pequeno empreendimento de vendas no ramo alimentício. Sou casada, tenho dois bebês e, com meu negócio, consigo sustentar minha família”, garante. Ela detalha que, em sua própria casa, comercializa produtos regionais como carne, camarão, goma de tapioca e castanha-do-pará. O faturamento médio mensal chega a R$ 1.000.


Oportunidade

Como a maior parte dos 32 mil habitantes da cidade onde mora, os pais de Ivone são ribeirinhos e, segundo ela, sempre tiveram dificuldades no acesso a políticas públicas que garantissem os direitos básicos da população.


“Falar no Programa Horizontes é falar em vida. Transformando a minha vida, outros jovens irão se espelhar para mudar também e o programa nos traz inúmeros conhecimentos, é inexplicável a importância dele para nós. Esse investimento não é só em uma pessoa, mas em famílias que têm o sonho de aumentar seus negócios. Eu tenho esse sonho”, acrescenta.


A iniciativa é coordenada pela Secretaria Nacional da Juventude (SNJ/MMFDH). Para a secretária Emilly Coelho, a proposta é olhar para os jovens em situação de vulnerabilidade e os preparar para situações inéditas. "Receber relatos como o da Ivone é extremamente animador e é apenas o começo. O programa mal completou um ano de criação e já está nos mostrando sua efetividade. Cada jovem qualificado é também um multiplicador, levando seu exemplo de êxito para vários outros", acredita.


"Não há nada mais gratificante neste mundo do que mudar vidas. Esse é o propósito final do Programa Horizontes, o qual está estruturado em quatro pilares bem definidos — saúde mental, tecnologia, inclusão produtiva e o incentivo ao voluntariado — que representam os principais desafios da juventude brasileira", explica.


Horizontes do Marajó

No Marajó, o Programa Horizontes foi lançado em abril de 2021 e recebeu investimento total de R$ 1 milhão. As ações já alcançaram quase 500 jovens — entre 18 e 29 anos — em 11 municípios do arquipélago: Afuá, Bagre, Cachoeira do Arari, Curralinho, Melgaço, Muaná, Ponta de Pedras, Salvaterra, Santa Cruz do Arari, São Sebastião da Boa Vista e Soure.


Os cursos desenvolvem nos alunos habilidades específicas como empreendedorismo solidário, força do trabalho em equipe, valorização da cultura, arte e as belezas naturais locais, além de habilidades básicas para colocar o aprendizado em prática em situações rotineiras.


O arquipélago

Considerado o maior arquipélago flúvio-marítimo do planeta, o Marajó é formado por 16 municípios que somam aproximadamente 550 mil habitantes. A área é formada por cerca de 2,5 mil ilhas e ilhotas com potencial de desenvolvimento e crescimento, mas, convive historicamente com uma realidade de pobreza e exclusão. Atualmente oito municípios marajoaras estão na lista daqueles com pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil.


Por Assessoria de Imprensa.

Comments


bottom of page