top of page
  • Foto do escritorPará Comunica

Literatura de cordel é instrumento para falar de diversidade LGBTQIAP+ na adolescência

História do próprio sobrinho e cotidiano em sala de aula inspiraram pedagoga Zenilda Vilarins Cardozo a escrever obra infantojuvenil



Crédito da foto: Assessoria de impresa


Os anos de vivência em sala de aula renderam à pedagoga Zenilda Vilarins Cardozo uma percepção aguçada sobre situações de preconceito de gênero e sexualidade entre crianças e jovens. O que não imaginava era que o próprio sobrinho poderia viver algo semelhante; Guilherme sofreu intensos ataques homofóbicos na escola, mas com o apoio da mãe e da tia, ele conseguiu passar por uma das fases mais difíceis de sua vida.


A experiência de Guilherme e outros jovens que sofrem por não serem aceitos socialmente inspiraram a criação de Meu menino colorido, terceiro livro publicado pela autora. Agora Zenilda espera que a materialização da história do sobrinho, hoje adulto, possa ajudar outros jovens que passam pela mesma situação.


No enredo, voltado principalmente ao público pré-adolescente, Zenilda destaca os conflitos internos de um garoto ao se descobrir diferente de outros moradores do Planeta das Caixinhas. Feito de diversas cores, o protagonista sente não pertencer àquele lugar – que separa pessoas em caixas de cores únicas. O preconceito leva-o a pensar em desistir de tudo, mas antes disso é salvo pelo amor da mãe.


Achou que não tinha direitos

Pensou até que tinha defeitos

Sentiu-se no fim da linha...

Chorou deitado em seu leito

Num sonho de ser aceito

Do jeito que lhe convinha.

(Meu menino colorido, p. 13)


Inspirada na literatura de cordel, Zenilda escreveu o enredo em rimas que conferem ritmo à leitura; as páginas com cores vivas remetem à bandeira LGBTQIAP+ e trazem fotos do Menino Colorido em diversas situações: parado em frente ao espelho, no meio de um campo de girassóis e até dentro de um abraço aconchegante. Um boneco de pano foi confeccionado à mão especialmente para compor as fotos da obra.


Para a autora, a estrutura escolar deve acolher os adolescentes com mais debates sobre diversidade e a intensificação do combate ao preconceito. Por isso, ela faz da literatura um meio de promover reflexões sobre o olhar destinado a estes jovens, assim como ressalta a importância do apoio dentro dos lares e nas escolas.



FICHA TÉCNICA


Título: Meu menino colorido

Autora: Zenilda Vilarins Cardozo

Editora: LC Editorial

ISBN/ASIN: 978-65-5872-397-4

Formato: 23 x 23 cm

Páginas: 24

Preço: R$ 40,00

Onde encontrar: Diretamente com a autora aqui










Sobre a autora:



Zenilda Vilarins Cardozo é pedagoga aposentada e faz parte da Academia Gamense de Letras. Além das salas de aula, atuou na Secretaria de Estado de Educação do DF e na Legião Brasileira de Assistência – projeto social de incentivo a mães para ingresso no mercado de trabalho. Por conhecer tão bem a realidade de crianças e adolescentes, trabalha pautas sociais urgentes na literatura: em Preta de Greve e as Sete Reivindicações e Preta Ainda de greve (Lei Maria da Penha) aborda temas como racismo, falta de representatividade feminina e violência doméstica. Meu menino colorido é o terceiro livro da autora.





Por assessoria de imprensa

コメント


bottom of page